O Colapso da Educação



A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces. Aristóteles
O dia que a escola parou!
 Era um dia como outro numa escola pública qualquer. o burburinho dos alunos, professores chegando, coordenadores a postos. Dá sete horas e o sinal soa, formam-se as filas por série. Cada turma tem seu lugar marcado e com sua professora à frente. Tudo parecia normal apenas mais um dia de aula até que...Um aluno confronta uma professora por causa do celular. Não precisa dizer mais nada. Depois disso, todos os professores desta escola entram em um estado de choque. Ficam paralisados. Tudo lentamente vai parando na escola. Os alunos da euforia e desordem, passam a sentir medo da total inércia dos professores de todas as salas. Os professores não moviam um músculo, é como se estivessem em um outro mundo. Um mundo maravilhoso onde os alunos eram educados, os professores eram respeitados por toda comunidade local, o governo investia pesado nas escolas, fazendo e obrigando os prefeitos a cumprirem todas as leis, nenhum professor sofria de depressão ou síndrome que os deixava inválidos, não havia descontentamento, pois o piso salarial era pago realmente, professor tinha planejamento garantido, ganhavam salário digno fazendo-os trabalharem somente em uma escola. Ah, que felicidade! Um dia perguntaram se na turma todos eram iguais e a professora respondeu: "não, temos as diferenças, somos uma escola com diversidades, mas conseguimos ensinar, porque as famílias se preocupam com seus filhos, então somos parceiros. Não mais estão nos usando para educar os seus filhos e sim ensiná-los". Foi tirado um peso dos ombros dos professores ele passou a achar que não era mais o culpado de todas as mazelas da educação, que havia um conjunto de fatores que influenciavam para a decadência do sistema educacional. Falando em decadência, por que os professores chegaram a este estado? Bom é uma longa história, de longos e longos anos de falta de políticas públicas voltadas para a educação, desvio de verbas, irresponsabilidades com professores, alunos e escola, desvalorização do trabalho do professor. O s desmandos da educação começa com o não cumprimento da leis que é garantido na Constituição Federal, Leis de diretrizes e Bases que norteiam a Educação e permeia a valorização do professor. no meio desse tortuoso caminho ao longo de quatrocentos anos os profissionais da educação vem cada dia mais ficando sem valor, ninguém se importa com a educação(só que se importa é professor). "Estão parecendo uns zumbis!", fala um aluna e "você reparou que parece doença e se espalhou por todas as escolas do nosso país?" Foi um pandemônio, pois as crianças e adolescentes não tinham onde ficar. Seus pais imediatamente acionaram os políticos mandatários do país, para darem explicações sobre o caso que havia se instalado na nação inteira. "Somos eleitores e os colocamos aí". "Façam algo a respeito sem perda de tempo, afinal estamos tendo que educar nossos filhos, estamos cansados de ensiná-los." "Onde estão os professores para tomar conta dessas crianças e adolescentes?". Os professores haviam se tornado babá de aluno, não mais um estudioso, um pesquisador, um mediador das ações didáticas. E o tempo estava passando e a demora em tomar atitudes a favor dos professores demorava, como sempre. Naquele momento só havia críticas, preguiçosos, é porque não querem trabalhar, vocês não percebem? Sempre fazem isso de greve, deve ser mais uma greve, para não receberem nada! Vão para rua para que? Ninguém liga... Um dia acordaremos!

 Luiza Marillac

3 comentários:

  1. Os fatos são esses mesmos. E para mudar o que fazer? Penso que projetos sérios que saiam do papel visando abordar os problemas da Escola e valorização do magistério com um salário justo sejam urgentes. As classes trabalhadoras também precisam deixar de ser zumbis sociais a tudo aceitando caladas frente "aos chefes" e somente se queixando pelas costas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Lis Dias precisamos mesmo ir a luta unidos, porque sozinhos não vamos a lugar algum. Bjks

      Excluir
  2. Sobre o consumismo & a “compra”
    (mesmo sem dinheiro). Alucinação publicitária:

    ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
    A Semiótica do Coração Valente© Ou Lula© o “Salvador”
    :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

    Bom, mas sinal, sinal mesmo — signo poderoso de sedução ao consumo –-, tão icônico como indicial (a secundidade de Pierce) foi o clichê muito bem montado por brilhante João Milionário Santana de cujo slogan significante é «CORAÇÃO VALENTE©» [a deusa Petista] — um produto a ser consumido e comprado pelas vísceras e não pela razão e raciocínio [Santana, esse que entende muito bem de Semiótica! Mas mesmo assim foi e está preso pelo inteligente Moro — que é obrigado a dominar de maneira fabulosa, igualmente, a Semiótica!].

    Eis aí a maior signo da picaretagem comercial: «Coração Valente©» ou Lula©. Frase publicitária.

    Eis aí, portanto, no signo «CORAÇÃO VALENTE©», o sinal do consumismo, ditado e vendido por João Santana (preso), e comprado em 2014 por muita gente emotiva e obnubilada. Consumido pelas vísceras e não pelo raciocínio e razão.
    Signo este consumido e comprado, mesmo sem dinheiro.

    Será por quê? Será por que o João-o-Milionário-Santana está preso?

    P.S.:
Vamos pensar e saber com sabor, e não ser enganado pela mídia PETISTA, pela publicidade e pela propaganda.

    É a herança de longa data que o governo do PT nos deixou… do dilmismo & do Lulismo. Nesse século.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, debata, critique e faça observações pertinentes.