Eu, Eu Mesma...




Esperança e temperança, gosto das duas palavras. Quando as perco é porque estou acordada.
Luiza Marillac

Eu, eu mesma, redundância... que saco! Eu, sonhadora, vivo com os pés flutuando, sempre nas nuvens, só nuvens boas. As trovoadas e raios deixo para o dia a dia.Esperança e temperança, gosto das duas palavras quando as perco é porque estou acordada. Sonho, sonho sempre mesmo que acordada, me dá motivo para viver, é como se fosse de onde tiro a minha energia vital. Energia é o que se precisa para viver, então estou viva. Engraçado estou escrevendo sem óculos, atrapalha um pouco, mas eu chego lá. Turbulência é o meu nascimento parece de dentro do ventre eu sinto que algo não vai bem, dizem que os bebês sentem tudo, eu senti e não sabia porque tinha tanto medo e rancor. Criança sofre e eu sofri dores no peito sem saber que dor era essa, engraçado parece simples, mas perduram por uma eternidade, se é que os meus tempos de vida, são uma eternidade. Falei em medo e não disse sobre insegurança, mas deixa para lá uma hora eu falo. Fatos são orações e pedidos aos Santos, engraçado parece que quando somos crianças sentimos a presença de um anjo constante que nos guarda, reje e acolhe. Legal era o meu amigo imaginário, se chamava Néni, eu contava tudo para ele, tudo, me vestia também, para ele, conversávamos tanto, não me lembro do dia em que se foi, mas lembro-me perfeitamente quando meu anjo se afastou. Engraçado isso, né. Talvez, penso, deixei de ser inocente, cresci, virei adolescente, com cabeça de adulto e corpo de criança, era muito magra, mirrada, depois encorpei e fiz babar muitos lobos, novos, meia idade, que época boa, eu só pensa em mim, o rancor, a raiva, o medo que se sente, só aparece quando se está só, aí eu choro, choro, me recomponho, boto uma roupa da moda e dá muitas gargalhadas aí fora. O Blá, Blá, Blá de mãe é o que tem de mais sacal, parece que eu vou sucumbir e voar em cima de minha mãe, mas aí eu penso e fico pedindo nos meus pensamentos, para de falar, por favor para de falar, meu Deus faça ela parar de falar(somente me proteja, me ensine). Obrigada meu Deus. Aí eu corro, corro para bem longe com a turma, e bebo alguma coisa, e bebe mais e dá muitas gargalhadas e tome jogar conversa fora. Sabe, tem hora que dá vontade de morrer, de repente morrer, aí eu fico pensando como será a minha morte, já que eu não tenho coragem de cortar meus pulsos, de encostar a faca no meu peito e aí encontrar uma barreira, é difícil morrer, na minha casa não tem nenhum veneno. Aí corre para a rua e da muitas gargalhadas, mas ninguém sabe o meu pensamento de morrer, só eu sei é uma coisa muito íntima(tudo bem agora vocês estão sabendo), entre eu e meu ego. Coisa boa é comida em casa de amigo, eu tenho vontade de repetir e tenho vergonha de pedir, outra coisa boa é a casa do amigo, a mãe, os irmãos tudo é melhor do que o seu. O pior que é mesmo.Medo, muito medo de dormir sozinha, principalamente depois de um filme de terror. Turma da escola é tudo de bom, só existe na escola, que coisa mais besta! Mas é bom, é inesquecível, as armações, as colas, as gozações, as advertências, matar aula, pulara o muro depois de roubar as cadernetas de presença, rabiscar as carteiras, ler os palavrões escritos no banheiro, vigiar a porta do banheiro para a galera fumar, caderno emprestado, caderno de perguntas íntimas, levar o apagador do professor para casa(eu me sentia importante),escrever na lousa, subir em cima da mesa do professor, colocar lagartixa na caixa de giz,aprender a xingar, falar sobre sexo, aprender a beijar de língua(que nojo!), ler livros na biblioteca, montar uma discoteca na escola e dançar muito, dançar quadrilha, reponder caderno de questionário íntimo,festa de formatura, separação, formatura é sinal de separação é que eu cresci, que pena! Dá uma tristeza! Nostalgia é a palavra usada agora para relembrar. Quando eu era criança as vezes eu queria crescer o seu organismo precisa crescer, aí é que se encontra o primeiro namorado, o meu foi assim, um beijo bem no escuro do cinema, nossa, passei a noite inteira acordada pensando e sentindo o beijo, que beijo, que boca macia, que sensação boa. Outro assim só quando a gente encontra um novo amor e assim vai sucessivamente até quando Deus quiser(mentira,sou eu que quero). Namorar ô coisa boa! Dá uma saudade de adolescer de novo, cara lisa, cintura marcada, calça santrope, tênis(velho), mini saia, azaração, sentar na praça e jogar conversa fora, ir ao cinema(as vezes sozinha), ao circo, ao parque de diversões, viajar, marcar sua passagem, praia, biquininho,turma da praia, gatos, muitos gatos, violão, voz, cantar, cantar muito, não fazer nada, ouvir música, gravar suas conversas e depois morrer de rir ao escutar com os amigos. A turma essa é inesquecível geralmente nascem e crescem juntos, brincam, brigam, mas sempre estão ali inseparáveis, baralho(jogo do burro), casa do amigo(de novo) porque casa de amigo é sempre casa de amigo. Escuridão, pensamento sombrios, cresci deixei de ser adolescente, estou só. Volto para a turma é dia de sol estou feliz. Cresci sozinha, parecia filha única, numa família de pais separados, mãe e filhos(meus irmãos)tendo que trabalhar fora. As vezes pedi aos céus alguém(minha mãe) me botasse para dentro de casa, me chamasse quando eu demorasse, me dissesse o que fazer. Me ensinasse a bordar, pregar botão, marcar(não sei fazer nada disso). Sou insegura, não sei fazer nada. Falta ânimo parece que preciso de alguém que me ensine( me proteja ). Sinto uma profunda tristeza(suspiro).Tristeza é uma palavra muito triste de cor marrom. Lembro-me quando criança, não sei se oito ou nove anos, mas criança ainda, as sevícias de um homem(que nojo), me suja dentro da alma, perco a minha inocência.(preciso de proteção). É, mas, agora eu cresci e me cuido, mesmo assim sinto que preciso de alguém que me proteja e me encha de mimos. É continuar vivendo e sonhando...devaneando...e sendo eu mesma...

Boa Noite

Luiza